A Mulher dos Bilhetes- Cap 03

26 de agosto de 2019
Contos


A MULHER DOS BILHETES  (CAP.03)

Até que um dia, Daniele refletindo sobre esse relacionamento vazio, resolve dar um “basta” e encerra definitivamente com ele, analisa sua vida e suas qualidades e através de uma mensagem pela internet, diz a ele sobre sua insatisfação...pois não queria assumi-la publicamente! Desta forma não teve alternativa, bastava caminhar e seguir...
A vida segue como as águas dos rios...
Novas paqueras surgiram com velocidade e duplicidade, Daniele não acreditava nessa chuva de emoções e permitia conhecer novas pessoas a  todo momento sem muitos questionamentos, o que era muito comum em sua nova etapa de vida, muitas vezes por receio.
Numa tarde de outono, em plana sexta-feira, resolve entrar numa mídia social e olhar as sugestões de amizade, quando se depara com um conhecido do serviço público e decide dar uma olhadinha em seu perfil:
Será que é comprometido?
De repente descobre que ele não tem compromisso afetivo, imediatamente solicita amizade e em questão de segundos recebe o “sim.” Conversam e se apresentam, porque durante o tempo que trabalharam no mesmo departamento  nunca conversaram... correria pelos corredores!
Num toque duplo decidem conversarem no aplicativo mais privado, assim se adicionaram e tudo fluía naturalmente, até que ele se despede pois estava na casa do filho em Curitiba, e precisava se arrumar para retornar para casa na cidade onde os dois moravam.
No sábado, chega e entra em contato com Daniele, depois de alguma conversa sobre assuntos diversos, convida-a para tomarem uma  cerveja  num restaurante árabe, mas já havia assumido um compromisso e não poderia ir, percebeu nitidamente o desencanto dele, mas não havia chance de adiar a ida ao shopping com amigo. No domingo, Daniele telefonou para “Douglas” e o convida para dançarem, imediatamente  aceita ...assim aconteceu!
Marcaram o horário e local do encontro, os dois super pontuais, chegaram quase que juntos! Quando ela o olhou, sorriu muito feliz, mas não sabia explicar exatamente a razão, apenas já o conhecia e isso a tranquilizava bastante, a segurança de estar com um homem do “bem” era maravilhoso!
Ele reservou uma mesa e lá ficaram conversando muito, apesar do som alto das músicas, dançaram bastante e tomaram umas poucas cervejas super geladas, tudo estava muito satisfatório, até que ele lhe rouba um beijo delicioso e forte, começava ali uma nova aventura em sua vida. O que nunca esqueceremos:

Quando estávamos nos beijando, um segurança chamou o Douglas e lhe disse que ali não era permitido “beijar” rsrs rimos demais da conta e nos sentimos verdadeiros adolescentes, como foi “massa”...
A vida seguia como as águas dos rios...
Daniele já se sentia forte emocionalmente e poderia suportar qualquer relacionamento sem receio de se apegar demais.
Seguiram suas vidas de uma forma intensa e leve, mas o que prevalecia era a paz e confiança entre eles. A família dela não aceitava com muita naturalidade, mas tentava contornar a preocupação constante, ele também respondeu a vários interrogatórios de seus filhos e tudo isso era muito engraçado para duas pessoas independentes e que apenas desejavam curtir a vida a dois...
Resolveram marcar uma data e um local para a união dos dois, uma noite com dança, muita alegria e a participação dos amigos sinceros. Nada de exageros porque a vida é bem mais simples do que imaginamos e eles estavam se desapegando da materialidade.
Ser só o que se é ...( comentavam sempre sobre esse conceito da essência interior)
De repente Daniele decide que iriam para uma praia deserta como sempre idealizou em seus sonhos e se uniria a ele com um arranjo de flores na cabeça, um vestido branco e pés nús , Douglas tbm não colocaria nada nos pés e se vestiria com um terno branco em cima da pele...ombros muito largos e musculosos, o que a provocava sempre em seus momentos de prazer... areia, mar e muito amor era só o que os dois queriam na realidade.
A natureza e seus encantos secretos! A vida seguia como as águas dos rios...
Até que resolveram pegar uma jangada e seguirem para uma piscina natural, pois estavam em Porto de Galinhas e a natureza exuberante era demais.
Assim fizeram...
Nunca mais ninguém os viu... a vida seguiu seu curso normal!























2 comentários:

  1. O romantismo está no ar... Nossa, eu não sabia que era proibido beijar no shopping. haha Num namoro que tive, a gente ficava 2 horas beijando lá. Doideiras do amor...

    bj

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim,amigo!
      Mas não foi no shopping, foi num clube rsrsrsrsr
      O Amor é assim, amigo escritor!

      Excluir